ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Pergunta | Resposta]

Divisão silábica de palavras com encontros vocálicos finais

[Pergunta] I
Como se efectua a divisão silábica da palavra "gasóleo"? É uma palavra grave ou esdrúxula? É que vi numa gramática a possbilidade de ser uma palvra grave,
considerando que o "eo" terminal é um ditongo crescente.
Obrigada.

Sílvia Ferreira
Professora
Torres Vedras
Portugal


II
A minha dúvida: as palavras "meia”, “dia”, “havia”, “macia”, “frio”, “história" em termos de translineação dividem-se como?
E se, por exemplo, a palavra "macia" se dividir assim: “ma-ci-a”, o ditongo "ia" é mesmo um ditongo ou como se se separa já não é considerado ditongo?
Obrigada pela atenção.

Maria Nobre
Portugal

:: ::

[Resposta] Respondo simultaneamente a estas duas perguntas, pois há considerações que são válidas para ambas.

Podemos distinguir, nas palavras em apreço, os seguintes tipos:

1 — O encontro vocálico faz-se em ditongo crescente. Caso das sequências postónicas, como em gasóleo, história, etc. (falsas esdrúxulas). Estes ditongos, em fala lenta, não são estáveis (deixam de o ser, pois há duas emissões de voz) e podem separar-se na translineação: ga-só-le-o, his-tó-ri-a.

2 — O encontro faz-se com hiato, o que acontece sempre que i ou u são tónicas: dia, havia, macia, frio, lua. Então, estamos em presença de sílabas diferentes, e é perfeitamente legítima a separação: di-a, ha-vi-a, ma-ci-a, fri-o, lu-a.

3 — No encontro há um ditongo decrescente: meia. Neste caso, a última vogal faz parte de outra sílaba, logo a divisão: mei-a.
No entanto, recomendo que nunca se deixe uma vogal isolada numa das linhas. Repare que a ou o isoladas se podem confundir com os artigos; além disso, se há espaço para pôr o hífen antes da vogal, por que razão não escrever mesmo a vogal?

No caso de meia, acresce que `na pronúncia´ há um arrastamento da semivogal desde a vogal e até à vogal a: ¦mei-ia¦, formando-se um conjunto de ditongo decrescente (não divisível) ei com um crescente ia (a esta semivogal especial dou eu o nome de glide [som de transição em Houaiss, como no brasileiro «nós ¦nóis¦], mas a separação que faço não é consensual, pois por costume não se distingue glide de semivogal). Assim, em meia, este i não pode separar-se de e segundo as regras ortográficas, e, por maioria de razão (também a fonética que defendo), não separo a de i.

Resumindo, a divisão silábica que tradicionalmente se recomenda é: ga-só-leo, his-tó-ria, ha-via, ma-cia. Nas restantes palavras em estudo, eu não faria mesmo divisão: dia, frio, lua, meia.

Ao seu dispor,

D’ Silvas Filho ® :: 20/10/2006

[Últimas Respostas]
O significado de sedição
A expressão latina et cetera/et caetera (etc.)
Direções como anglicismo
«A pera, quando madura, há de cair»
O coletivo de recrutas
O regionalismo empalear
Truísmo
A regência de inscrever-se
A origem de «dama de honor»
Origem de fronteira

Mostra todas

Ciber Escola Ciber Cursos