ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[O Nosso Idioma]Acordo Ortográfico

O Semba da Nova Ortografia *

Manuel Rui**


Ler em voz alta é declinar a vida inteira das
Palavras escritas
Agora mais bonitas do que antes
Pois foram libertadas consoantes
Aquelas que estavam escritas mas não se liam
coitadas
Ficavam mudas e não se ouviam porque tristes e
amuadas.
Abaixo o protecionismo que agora perdeu um cê
E também a reação
O abstracionismo é uma maneira de ver
Mas o acionamento do voto é um dever
Muito mais fácil de exercer com um cê a menos
Porém quando articulado
Vai de regra com o cê
Na palavra faccioso
Reparem que o cê tem trabalho
Como em friccionar
Diferente de antigamente
Em que o cê de refectir
Tinha lugar sem servir
Zarpou e eu em vez de refletir
Deu-me vontade de rir
De ver o cê a bazar!


Era assim antes actual o cê desaproveitado
Agora escreve-se atual e atualmente
Tal e qual como se lê!
Que lindo e tão simples
Como confecionar papagaios de papel
Também sem mais aquele cê que não ia voar
Só por estar
Sem ser articulado
E sendo assim detetado
Deixou de ser ativado
Mas se o cê estiver a trabalhar num texto ficcional
Continua muito bem ortografado
E o cê a cantar que

Agora
Até que enfim
Vou-me embora
Da mudez
De emprego desempregado
Só fico para outras palavras
Onde seja articulado.
Não fazia nada em atual
Mas fazia e continua a fazer
Na palavra ficcional.

Mas tomem muita atenção
Que já não se escreve acção
Um cê também foi embora
Nesta nova projeção que também perdeu o cê
Como acontece em ação
E na nossa ortografia
Vamos embora para a frente
Aliviando as palavras de tanto cê indolente
E sem qualquer distração
Um pedaço é uma fração
Contra a lei é infração
Esta nova ortografia é uma boa
Para no CAN o mangolé-mangolá
Só ter uma direção
FORÇA ANGOLA!
FORÇA PALANCA-NEGRA
NOSSA ÓTIMA SELEÇÃO!
 
(...)

* Primeiras estrofes de O Semba da Nova Ortografia, edição da União dos Escritores Angolanos, Luanda, 2009. :: 05/04/2010

Sobre o autor

**

Manuel Rui Monteiro, de seu nome completo, nasceu no Huambo (1941), Angola. Escritor, professor de literatura, jurista, cronista e guionista de cinema, tem várias obras publicadas no domínio da poesia e da prosa. Traduzido já para espanhol, francês, inglês, italiano, russo, romeno, checo, finlandês, árabe e hebraico, é autor, entre outros, de Quem me dera ser onda (1982), Crónica de um Mujimbo (1989), 1 Morto & Vivos (1993), Da Palma da Mão (1998) e Rioseco (1999).

 

 

Textos Relacionados

Enviar:

O Nosso Idioma

Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.

O Semba da Nova Ortografia

Mostra todosAcordo Ortográfico


Temas

A arte do uso da linguagem

A língua portuguesa vista por estrangeiros

Acordo Ortográfico

Aportuguesamento de termos estrangeiros

Concordância

Ensino

Escritores e poetas

Estrangeirismos

Evolução semântica

Expressões idiomáticas, frases feitas

Género

Gerundismo

Gírias

Histórias de palavras

Interpretação dos provérbios

Léxico

Linguística

Literatura

neologismo

Neologismos

O português do Brasil

O português em Angola

O português em Timor

O português nos 8 países da CPLP

O português, língua científica

O uso e abuso da língua inglesa

Onomástica

Pontuação

Português do Brasil vs Português europeu

Português, língua técnica e científica

Pragmática

tecnologia

toponímia

Unidade e diversidade da língua

Uso e norma

Uso inadequado do léxico na política

Uso incorreto do léxico na comunicação social

Verbos

Vídeos



Autores

Abel Barros Baptista

Agostinho de Campos

Alex Sander Alcântara

Alfredo Barroso

Álvaro Garcia Fernandes

Ana Goulão

Ana Martins

Ana Sousa Martins

Anselmo Borges

António Costa Santos

António Dinis da Cruz e Silva

António Pinho Vargas

António Valdemar

António Vieira

Arnaldo Niskier

Augusto Soares da Silva

Augusto Soares da Silva; Marlene Danaia Duarte

Carlos Alberto Faraco

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carolina Reis

Cecília Meireles

Chico Viana

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Daniela Cordeiro

Desidério Murcho

Diogo Pires Aurélio

Duda Guennes

D´ Silvas Filho

Edgard Murano

Edno Pimentel

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

Eugénio de Andrade

Fernando Braga

Fernando Sabino

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira da Rosa

Ferreira Fernandes

Ferreira Gullar

Francicarlos Diniz

Francisco Belard

Gonçalo M. Tavares

Henrique Monteiro

Ida Rebelo

Isabel Coutinho

Isabelle Oliveira

João Bonifácio

João Cabral de Melo Neto

João de Melo

João Paulo Coelho de S. Rodrigues

João Paulo Cotrim

João Ubaldo Ribeiro

Joaquim Ferreira dos Santos

Joaquim Vieira

Jorge Daupiás

Jorge Miranda

José Eduardo Agualusa

José Luis Peixoto

José Mário Costa

José Mário Costa,João Matias

José Neves Henriques

José Paulo Cavalcanti Filho

José Pedro Ferreira

José Saramago

José Tolentino Mendonça

Luciano Eduardo de Oliveira

Luís Campos e Cunha

Luís Carlos Patraquim

Luís Fernando Veríssimo

Luís Francisco Rebelo

Manuel Alegre

Manuel Bandeira

Manuel Gonçalves da Silva

Manuel Matos Monteiro

Manuel Rodrigues Lapa

Manuel Rui

Margarita Correia

Maria Helena Mira Mateus

Maria Lúcia Lepecki

Maria Regina Rocha

Mário Bettencourt Resendes

Mário de Carvalho

Mário de Carvalho

Mário Ramires

Mário Vieira de Carvalho

Markus Schmid

Marta Martins Silva

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Faria de Bastos

Miguel Gaspar

Nelly Carvalho

Nuno Crato

Nuno Júdice

Nuno Pacheco

Olavo Bilac

Padre António Vieira

Pasquale Cipro Neto

Paulo Afonso Grisolli

Paulo Araújo

Paulo J. S. Barata

Paulo José Miranda

Paulo Moura

Paulo Pisco

Pedro Mexia

Ricardo Araújo Pereira

Ricardo Nabais

Rita Pimenta

Robert Macpherson

Rodrigues Lobo

Rui Araújo

Sandra Duarte Tavares

Sara Leite

Sérgio Rodrigues

Sírio Possenti

Teixeira de Pascoaes

Telmo Verdelho

Ursulino Leão

Vários

Vasco Barreto

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vítor Bandarra

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos