ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[O Nosso Idioma] - Estrangeirismos

Clównico e clownesco: falta de regras hoje… e ontem…

Paulo J. S. Barata*

Há um pouco a ideia de que o acréscimo de neologismos, quer na língua corrente, quer nas linguagens especializadas, resulta do maior contacto entre as línguas potenciado pela globalização, adquirindo predominância neste processo o inglês, enquanto língua franca de comunicação. E, na ausência de uma entidade de supervisão, que discipline e controle a entrada desses empréstimos, ela é feita de forma anárquica e desregulada.

Ambas as premissas estão certas. Porém, é bom não esquecer que estes empréstimos não são de hoje e sempre ocorreram, primeiro pelas ocupações territoriais e pelos fenómenos migratórios, depois sobretudo pelo predomínio cultural. E sempre ocorreram sem supervisão ou controlo, ao critério de falantes e escreventes. E sempre ocorreram das línguas dominantes para as mais periféricas. E sempre ocorreram com mais ou menos lógica fonológica e morfológica.

Acontece que antes eram menos e hoje são mais, acompanhando, aliás, o ritmo de produção do conhecimento que duplica a cada cinco anos.

A provar isto, deixo aqui dois neologismos que surpreendi recentemente aquando da releitura de Os Gatos, de Fialho de Almeida: clównico e clownesco, de proveniência anglo-saxónica, cuja construção, pela importação directa do radical e pela peculiar acentuação do primeiro, faz lembrar algumas importações mais recentes e certamente arrepiará alguns:

«No capítulo das manifestações de dor individual, chega a ser clównico o sardonismo que a canalha pública fez chispar do luto decretado pelo Sr. José Luciano, no Diário do Governo

«Ora, uma cidade que exterioriza o respeito pelos mortos pela clownesca forma que viram […].»

Clown e clownesco constam hoje em vários dicionários e vocabulários. Sem escândalo, José Pedro Machado até fez o pleno ao registar, no Grande Dicionário da Língua Portuguesa, clown, clównico e clownesco. No primeiro caso registando também o sentido de ginasta. Ainda que em observação alerte: «este anglicismo pode ser vantajosamente substituído por arlequim, palhaço, saltimbanco, etc.». Sublinhe-se, a (des)propósito, que por exemplo o italiano adaptou clownesco para claunesco1

Será bom lembrar que o uso das palavras atrás referidas ocorreu na segunda metade do século XIX e que até foi registado em dicionários anteriores ao da Academia…

1 Do ponto de vista ortográfico, clównico e clownesco são formas anómalas, porque as grafias híbridas (radical em ortografia estrangeira + afixo em ortografia portuguesa) só são admissíveis quando se trata de derivados de nomes próprios estrangeiros (por exemplo, kantiano, darwiniano, byroniano), à luz tanto do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90) como dos anteriores normativos — o Formulário Ortográfico de 1943 (em vigor no Brasil até 2008) e o Acordo Ortográfico de 1945 (ainda em vigor em Portugal, mas em processo de substituição pelo AO90 até 2015). Seria, pois, de esperar que, de clown, que é substantivo comum, e não próprio, se criasse o aportuguesamento "claune" (não atestado), dando passo às formas derivadas "cláunico" e "claunesco". Apesar disso, nos dicionários brasileiros (Dicionário Houaiss) e portugueses (o mencionado dicionário de José Pedro Machado) a única forma registada é a híbrida, clownesco, o mesmo acontecendo nos novos vocabulários ortográficos (o da Academia Brasileira de Letras, o da Porto Editora e o Vocabulário Ortográfico do Português do ILTEC). 

* Com a colaboração de Carlos Rocha.

15/12/2010

Sobre o autor

* Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares; curso de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e curso de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo). 

 

 

Enviar:

O Nosso Idioma

Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.

O doce com nome de (um) brigadeiro
«Nem por isso»
No tempo do livro
O Instituto Internacional da Língua Portuguesa
e o legado de Gilvan Müller de Oliveira
«Já pressionou o “asterísTIco”»?
Espiar
Empate
Família
Coisas do português
Cacetada na mula ruça

Temas

A arte do uso da linguagem

A língua portuguesa vista por estrangeiros

Acordo Ortográfico

Aportuguesamento de termos estrangeiros

Concordância

Ensino

Escritores e poetas

Estrangeirismos

Evolução semântica

Expressões idiomáticas, frases feitas

Género

Gerundismo

Gírias

Histórias de palavras

Interpretação dos provérbios

Léxico

Literatura

Neologismos

O português do Brasil

O português em Angola

O português em Timor

O português nos 8 países da CPLP

O português, língua científica

O uso e abuso da língua inglesa

Onomástica

Pontuação

Português do Brasil vs Português europeu

Pragmática

tecnologia

toponímia

Unidade e diversidade da língua

Uso e norma

Uso inadequado do léxico na política

Uso incorreto do léxico na comunicação social

Verbos



Autores

Abel Barros Baptista

Afonso Peres

Agostinho de Campos

Alex Sander Alcântara

Alfredo Barroso

Álvaro Garcia Fernandes

Ana Goulão

Ana Martins

Ana Sousa Martins

Anselmo Borges

António Costa Santos

António Dinis da Cruz e Silva

António Pinho Vargas

António Valdemar

António Vieira

Arnaldo Niskier

Augusto Soares da Silva

Augusto Soares da Silva; Marlene Danaia Duarte

Carlos Alberto Faraco

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carolina Reis

Cecília Meireles

Chico Viana

Daniela Cordeiro

Desidério Murcho

Diogo Pires Aurélio

Duda Guennes

D´ Silvas Filho

Edgard Murano

Edno Pimentel

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

Eugénio de Andrade

Fernando Braga

Fernando Sabino

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira da Rosa

Ferreira Fernandes

Ferreira Gullar

Francicarlos Diniz

Francisco Belard

Gonçalo M. Tavares

Henrique Monteiro

Ida Rebelo

Isabel Coutinho

Isabelle Oliveira

João Bonifácio

João Cabral de Melo Neto

João de Melo

João Paulo Coelho de S. Rodrigues

João Paulo Cotrim

João Ubaldo Ribeiro

Joaquim Ferreira dos Santos

Joaquim Vieira

Jorge Daupiás

Jorge Miranda

José Eduardo Agualusa

José Luis Peixoto

José Mário Costa

José Mário Costa,João Matias

José Neves Henriques

José Paulo Cavalcanti Filho

José Pedro Ferreira

José Saramago

José Tolentino Mendonça

Luciano Eduardo de Oliveira

Luís Campos e Cunha

Luís Carlos Patraquim

Luís Fernando Veríssimo

Luís Francisco Rebelo

M. Rodrigues Lapa

Manuel Alegre

Manuel Bandeira

Manuel Gonçalves da Silva

Manuel Matos Monteiro

Manuel Rodrigues Lapa

Manuel Rui

Margarita Correia

Maria Helena Mira Mateus

Maria Lúcia Lepecki

Maria Regina Rocha

Mário Bettencourt Resendes

Mário de Carvalho

Mário de Carvalho

Mário Ramires

Mário Vieira de Carvalho

Markus Schmid

Marta Martins Silva

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Gaspar

Nelly Carvalho

Nuno Crato

Nuno Júdice

Nuno Pacheco

Olavo Bilac

Padre António Vieira

Pasquale Cipro Neto

Paulo Afonso Grisolli

Paulo Araújo

Paulo J. S. Barata

Paulo José Miranda

Paulo Moura

Paulo Pisco

Pedro Mexia

Ricardo Araújo Pereira

Ricardo Nabais

Rita Pimenta

Robert Macpherson

Rodrigues Lobo

Rui Araújo

Sandra Duarte Tavares

Sara Leite

Sérgio Rodrigues

Sírio Possenti

Teixeira de Pascoaes

Telmo Verdelho

Ursulino Leão

Vários

Vasco Barreto

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vítor Bandarra

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos