ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Diversidades]

Descubra as diferenças *

Fernando Venâncio**

As semelhanças entre galego e português são patentes, sobretudo quando comparados com o espanhol. Só que a ortografia «normativa» galega, inspirada na castelhana, dá ao idioma da Galiza um aspecto de língua intermédia. A norma proposta pela Agal (Associaçom Galega da Língua) baseia-se na grafia portuguesa e conserva as características lexicais e gramaticais galegas. O texto em galego normativo foi extraído duma crónica no semanário «A Nosa Terra», de 29 de Junho de 2006.

Espanhol

Hay peñascos como catedrales. Rocas trabajadas por el viento, por el agua, por el tiempo. Piedras alabadas por poetas, cargadas de historias fantasmales contadas por abuelos de abuelos que nos hablan de épocas mágicas. Hay peñascos que por si mismos son monumentos naturales, parte de nuestra historia y de nuestro paisaje que merecen la misma protección que las piedras históricas trabajadas por el hombre.

Galego normativo

Hai penedos coma catedrais. Rochas traballadas polo vento, pola auga, polo tempo. Pedras louvadas por poetas, cargadas de historias fantasmais contadas por avós de avós que nos falan de épocas máxicas. Hai penedos que por si mesmos son monumentos naturais, parte da nosa historia e da nosa paisaxe que merecen a mesma protección que as pedras históricas traballadas polo home.

Galego norma Agal

Hai penedos como catedrais. Rochas trabalhadas polo vento, pola auga, polo tempo. Pedras louvadas por poetas, cargadas de histórias fantasmais contadas por avós de avós que nos falam de épocas mágicas. Hai penedos que por si mesmos som monumentos naturais, parte da nossa história e da nossa paisage que merecem a mesma protecçom que as pedras históricas trabalhadas polo home.

* * Cf. E a Galiza aqui tão perto :: 06/12/2007

Sobre o autor

** Fernando Venâncio (Mértola, 1944) formou-se em 1976 em Linguística Geral, na Universidade de Amesterdão. Aí se doutorou em 1995, com um estudo sobre as «ideias de língua literária em Portugal no século XIX». Publicou estudos sobre «brasileirismos em Portugal», as reformas ortográficas e o Português Fundamental. Tem escito no Jornal de Letras (JL), no semanário Expresso e na revista Ler. É autor dos romances Os Esquemas de Fradique (1999) e El-Rei no Porto (2001) e da antologia Crónica Jornalística. Século XX (2004).

Enviar:

Diversidades

Textos que versam sobre as variedades nacionais e regionais do português.

Sobre o talian ou vêneto brasileiro
Amélia Mingas quer «maior aposta» no ensino das línguas nacionais em Angola
OK, eu amo-te
Multilinguismo
O discurso de Obama
Pontes sólidas
Línguas (quase) mortas
Inventário terá todos os idiomas falados no Brasil
João Bénard da Costa, cronista, ensaísta, professor, escritor,
actor, historiador de cinema
O peso das palavras

Temas

Internet

Língua portuguesa em Timor

Línguas de Angola

Texto



Autores

Afonso Peres

Amadeu Ferreira

Ana Martins

António Valdemar

Arnaldo Niskier

Carlos Quiroga

Dellano Rios

Deonísio da Silva

Diogo Pires Aurélio

Duda Guennes

Edno Pimentel

Edson Athayde

Eduardo Fradkin

Eduardo Kattah

Eduardo Prado Coellho

Elsa Rodrigues dos Santos

Fernando Venâncio

Francisco Belard

Francisco Pereira

Gonçalo Neves

Helena Matos

Ida Rebelo

Janaína Simões

Joaquim Fidalgo

José Medeiros Ferreira

Larry Rother

Margarida Portugal

Maria Tereza Pimenta

Marta Avancini

Miguel Esteves Cardoso

Pasquale Cipro Neto

Renata Mariz

Rui Ramos

Teotónio R. de Souza

Valdemar Cruz

Vasco Graça Moura

Viale Moutinho

Wilton Fonseca

Zuleide de Barros


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos