ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias] - Dezenas de milhar/milhares

Na extracção dos números da lotaria
deverá dizer-se «dezenas de milhar»

Maria Regina Rocha*

As expressões «dezenas de milhar» e «dezenas de milhares» designam realidades diferentes.

Na extracção da lotaria, deverá dizer-se «o algarismo das dezenas de milhar».

«Dezenas de milhar» utiliza-se matematicamente quando se pretende referir a ordem, ou seja, a posição que o algarismo ocupa na representação de um número. Na representação de um número existem classes: as mais referidas são a classe das unidades, a dos milhares e a dos milhões. Dentro de cada classe, existem as ordens. Temos, então, na classe das unidades, as unidades, as dezenas e as centenas; na classe dos milhares, as unidades de milhar (ou os milhares), as dezenas de milhar e as centenas de milhar; na classe dos milhões, as unidades de milhão (os milhões), as dezenas de milhão e as centenas de milhão.

Assim, na referência aos algarismos constituintes de um número, deverá dizer-se que existe o algarismo das unidades, o algarismo das dezenas, o algarismo das centenas; o algarismo das unidades de milhar, o das dezenas de milhar, o das centenas de milhar; o algarismo das unidades de milhão, o das dezenas de milhão e o das centenas de milhão.

Para se compreender facilmente este conceito, vejamos, por exemplo, o que significa a expressão «duas dezenas de milhar». Significa 20 (duas dezenas) vezes 1000 (um milhar), ou seja, 20 000. Não faz sentido dizer «duas dezenas de milhares», pois temos o multiplicador («duas dezenas»), mas não sabemos qual é o multiplicando, ou seja, estamos a multiplicar duas dezenas por quantos milhares? É que, se multiplicarmos duas dezenas por um milhar, obteremos 20 000, mas, se multiplicarmos duas dezenas por «milhares», por «dois milhares», por exemplo, já obteremos outro número, no caso, 40 000.

Analisemos, por exemplo, o número 23 546. Temos 6 unidades, 4 dezenas, 5 centenas, 3 milhares (unidades de milhar) e 2 dezenas de milhar (ou seja, 20 x 1000 = 20 000). Tudo somado (20 000 + 3000 + 500 + 40 + 6) dá o número 23 546. Não se pode dizer que o primeiro algarismo é o das "dezenas de milhares" (duas dezenas de quantos milhares?), mas sim o das dezenas de milhar: são duas dezenas de um milhar, ou seja, 20 000.

É assim que, na extracção da lotaria, se deverá dizer "o algarismo das dezenas de milhar".

Quanto à expressão «dezenas de milhares», ela é aceitável quando se pretende evidenciar uma grande quantidade de seres ou objectos cujo número não se conhece ou não se pretende precisar e apenas se quer pôr a tónica na grande quantidade: são dezenas a multiplicar por milhares. «Dezenas de milhares» pode utilizar-se quando se lhe segue um substantivo, por exemplo, na frase «Estavam na praça dezenas de milhares de operários»: há milhares de operários, há dezenas de milhares de operários. Trata-se de uma expressão imprecisa, mas que poderá utilizar-se, repito, por uma questão estilística.

17/07/2008

Sobre a autora

* Maria Regina Rocha, licenciada em Filologia Românica pela Universidade de Lisboa; parte curricular do mestrado em Ciências da Educação, pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra; professora na Escola Superior de Educação de Coimbra, onde lecciona várias disciplinas na área da Língua Portuguesa

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

Para as urtigas com a Lusofonia!
Sobre o «subsidiadíssimo» Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
A língua portuguesa no traço comum da lusofonia
O equívoco do tratamento escolar da língua
«A disciplina de Português é um crime contra o futuro»?!
«… de mim mesmo» ou «… de eu mesmo»?
O respeito pela intencionalidade do comunicador e pelas subtilezas da língua
«De mim mesmo» (2)
Malefícios no ensino do Português
«Uma língua construída só pode ser uma língua artificial, como o Esperanto»

Temas

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

Locuções

Lusofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando V. Peixoto da Fonseca

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos