ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Artigos]

Périplos *

Wilton Fonseca**

À volta do (mau) emprego da palavra périplo, na crónica do jornalista Wilton Fonseca O ponto do i, do jornal i de 14 de outubro de 2011.


Não lhes dão sossego. Mal põem os pés fora do país, os governantes portugueses são condenados pela comunicação social a fazer “périplos”. São assim imediatamente alçados à condição de Vascos da Gama ou Cabrais. Deixaram há muito de fazer viagens, que são coisas para os Obamas e as Merkels deste mundo. Os nossos e as suas comitivas fazem “périplos”.

Foi o que aconteceu há dias. Um ministro e a sua comitiva efetuaram uma cansativa visita de três dias ao Rio de Janeiro. Do exaustivo programa constavam um encontro com o governador e com o prefeito cariocas, o lançamento de um livro, uma solene missa (ponto único do programa de um sábado) e um almoço com o cônsul-geral de Portugal (ponto único do programa de um domingo). A viagem foi descrita como um “périplo” pelos jornais. Também tem merecido a mesma designação a visita que o ministro dos Negócios Estrangeiros realiza a Marrocos, Turquia, Argélia e Egito, a partir de hoje, para a promoção da “diplomacia económica”.

“Périplo”, dizem os dicionários, é uma viagem de navegação em torno de um mar ou de um continente. Para muita pena dos Vascos da Gama ou Cabrais contemporâneos e dos seus cronistas, os primeiros não têm feito périplos. Nem os segundos os têm relatado. São apenas visitas. Independentemente da seriedade que possam ter.

* In jornal i. de 14 de outubro de 2011 :: 17/10/2011

Sobre o autor

** Wilton Fonseca é um jornalista português nascido no Brasil. Licenciado em Filologia Românica (Faculdade de Letras de Lisboa), onde lecionou Introdução aos Estudos Linguísticos, Sintaxe e Semântica do Português. Foi diretor de Informação das agências noticiosas Anop e NP, chefiou os serviços de comunicação das fundações Gulbenkian e Luso-Americana para o Desenvolvimento. Foi chefe de Informação (PIO) das missões de paz das Nações Unidas em Angola, Timor-Leste, Kosovo e Burundi. Foi diretor-geral da Leya em Angola.

 

Textos Relacionados

Enviar:

Artigos
Um erro crasso de ortografia
Futuro... da preguiça
Um item, dois itens...
Dezenas de milhar(es) de pessoas
"Desgusta"... com desgosto
Sansão mas sem Dalila…
«Isso pode ficar entre "parentes", professor?»
«De encontro a»,
«ao encontro de»
Notícia do desassossego
Razões q.b. para recusarmos o barbarismo "precaridade"


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos