ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Antologia]

«Falemos português brando e sonoro»
(Grafia original) *

Filinto Elísio**

Nós prezamos tão pouco a nossa língua,

Que tão sómente as outras aprendemos,

Em desar da nativa; e a ser-nos dado,

Na francesa escrevêramos, faláramos,

Como já na espanhola, por lisonja

E por louca vaidade, compusemos!

[…]


Falemos português brando e sonoro

A portugueses que entender-nos cabe.

E se espertos me argúem os peraltas

Que as riquezas vocais que assim pretendo

Introduzir, empecem à clareza

Da língua, e que o vulgar dos portugueses

Não pode súbito abranger o senso

Das vozes clássicas, remotas do uso,

Das novas, das latinas, das compostas,

Mui pachorrento e concho lhes respondo

Que as que hoje estão em uso foram novas,

Tão difíceis então, quanto estas hoje

De serem do vulgar bem entendidas.


Quando o Pombal nas leis punha apanágio

Ninguém soube que enxalmo, que encomenda

Que bicharoco era apanágio. Os mesmos

Letrados se tomavam da tarântula.

Apanágio passou. Hoje é corrente.


Qual foi o sapateiro ou curraleira

Que pescou o sentido enrevesado

Em retactar, controverter, em outras,

Da vez primeira que saiu da boca

Do freguês que lha disse?... Pouco a pouco,

Explicada, prègada, conversada,

Conseguiu ser palavra corriqueira

Quem d’antes era enigma avesso, abstruso.

Tal é o fado das primeiras vozes:

Estranham – vão entrando – tomam posse –

Depois ficam de assento – e entre nós casam…

Ei-las parentas já de toda a língua.

Assim é que um caminho de pé posto

Co´o andar da gente passa a ser estrada.


Como em límpida fonte, em nossos mestres

E nas páginas férteis dos Latinos

Tomem linguagem puro os bons engenhos

Que a colher palmas de eloquência lusa

Inclinam seu propósito e porfia…1

[…]

Quando, órfão dos bons clássicos, o idioma

Se viu ao desamparo, ao desalinho

De um tropel de ignorantes, todo o rico,

Custoso cabedal, que tinha herdado

Da ânsia de estudo de escritores sábios,

Se esvaiu pelas mãos de ruins tutores.


Um, fastioso de após, desfez-se dele;

Este espancou  quiçé, esse outro asinha;

E assim os mais. Foi roupa de Franceses…


Os termos mais enérgicos, mais curtos,

Os mais sonoros, por melindre ou birra,

Foram longe da língua degredados;

E outros foram perdidos por desleixo,

E nós, de avitos bens herdeiros lídimos,

Num património entrámos defraudado

De ouro, padrões, alfaias nu e cru.

[…]


Demos que ressuscite (o que hoje é fácil)

Vieira, e ouça falar certos peraltas,

Pregoeiros de afrancesada língua.

Parece-me que o vejo franzir beiços,

Encrespar o nariz, preguntar logo:

– Quem vos torceu as falas à francesa,

Meus pardais novos de amarelo bico?

PERALTA

Lemos livros de fita, e é nesses livros

Que nós puisamos o falar à moda,

No mais charmante tom, mais seduisante.

VIEIRA

E quem trouxe essa moda, meus meninos?

PERALTA

Ele é, pois que exigis que com justeza

Raporte o renomado chefe, é êsse o

Tradutor de Telémaco,

De sermões vicentinos precedido,

Avan-coorrores desta nova escola.

[…]

VIEIRA

Pare, pare, senhor, coo sarrabulho

Dessa frase franduna! Eu fui a França,

Nunca lá me atolei nesses lameiros,

Nunca enroupei a língua portuguesa

Com trapos multicolores, gandaiados

Nessa feira da ladra. Os meus latinos

Me deram sempre o precioso traje

Com que aformosentei a lusa fala…

Com Deus fique, senhor. Tal gíria esconsa,

De ensosso mistifório burdalengo,

Só medra co´ êsses tolos que se enfronham

Em língua estranha sem saber a sua,

E dão co´essa mistura a vera efígie

Do apupado, ridículo enxacoco2!

1 O pensamento de Francisco Manuel do Nascimento parece ter sido êste: Em matéria de boa linguagem devemos inovar com prudência e discernimento, evitando tanto os barbarismos como os latinismos pedantescos, e procurando tirar do esquecimento os vocábulos expressivos da nossa língua de outrora, que ainda mais facilmente reentrarão no quadro do falar moderno do que nele se naturalizam e radicam tantas palavras exóticas desnecessárias.

2 Enxacoco = o que falla mal a língua estrangeira, misturando-lhe palavras da sua.

* * Da Arte Poética, Parnaso Lusitano [1826] in Paladinos da Linguagem, Vol. I, Paris-Lisboa, Aillaud & Bertrand, 1921, pp. 135-141 :: 04/03/2012

Sobre o autor

** Filinto Elísio (Lisboa, 1734 – Paris, 1819), foi um poeta, tradutor e sacerdote. Enquanto sacerdote foi influenciado pelo arcadismo e pelo iluminismo, o que o levou a ser denunciado à Inquisição. Nestas circunstâncias, viu-se obrigado a fugir para Paris, e foi aí que escreveu grande parte da sua poesia, que só seria publicada após a sua morte em Obras Completas, (1817-1819).

 

Textos Relacionados

Enviar:

Antologia

Textos de autores lusófonos sobre a língua portuguesa, de diferentes épocas.

A Bicha e a Fila
Língua
A minha língua
Mandela
Esta língua e eu
Antigamente (II)
Divertimento com sinais ortográficos
Lusitânia no Bairro Latino
Uma língua e diferentes culturas
Minha pátria é a língua portuguesa

Países

Angola

Brasil

Cabo Verde

Goa

Guiné-Bissau

Moçambique

Portugal



Autores

Adriano Espínola

Afonso Duarte

Afonso Lopes Vieira

Afonso Praça

Afrânio Peixoto

Alberto de Lacerda

Alberto d´Oliveira

Alexandre O´Neill

Alice Vieira

Almeida Garrett

Álvaro Sousa da Silveira

Ana Paula Tavares

Antero de Figueiredo

António Austregésilo

António Correia de Oliveira

António de Morais Silva

António Dinis da Cruz e Silva

António Ferreira

António Gedeão

António Nobre

António Nunes Ribeiro Sanches

António Ramos Rosa

António Sérgio

Aquilino Ribeiro

Arlindo Barbeitos

Arnaldo Santos

Bernardo Soares

Bernardo Soares **

Cabral do Nascimento

Caetano Veloso

Camilo Castelo Branco

Carlos de Oliveira

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Góes

Carlos Lopes

Carlos Malheiro Dias

Carolina Michaëlis de Vasconcelos

Cecília Meireles

Clarice Lispector

Coelho Neto

Cristina Carvalho

D. António Pinheiro

D. Duarte

Diogo Bernardes

Eça de Queirós

Eduardo Lourenço

Eduardo Pinheiro

Egito Gonçalves

Eugénio de Andrade

Félix Pacheco

Fernando Dacosta

Fernando Pessoa

Fernando Sabino

Fernando Venâncio

Fernão Álvares do Oriente

Fernão de Oliveira

Fialho de Almeida

Fidelino de Figueiredo

Filinto Elísio

Francisco Belard

Francisco Dias Gomes

Francisco Evaristo Leoni

Francisco Rodrigues Lobo

Francisco Xavier de Oliveira

Frei Manuel do Sepulcro

Germano Almeida

Gilberto Mendonça Teles

Gonçalves Viana

Guadalupe Magalhães Portelinha

Hélia Correia

J. C. Ary dos Santos

Jaime Moniz

João Aguiar

João Cabral de Melo Neto

João de Araújo Correia

João de Barros

João de Deus

João de Melo

João Guimarães Rosa

João Melo

João Ribeiro

João Ubaldo Ribeiro

Joaquim Nabuco

Joaquim Pessoa

Jorge de Sena

Jorge Fazenda Lourenço

Jorge Ferreira de Vasconcelos

José Albano

José Albano

José Alberto Braga

José Craveirinha

José Eduardo Agualusa

José Inácio Roquete

José Joaquim Nunes

José Jorge Letria

José Luís Peixoto

José Saramago

Júlio Brandão

Júlio Dantas

Lídia Jorge

Luís Carlos Patraquim

Luís de Camões

Luís Fernando Veríssimo

Luísa Costa Gomes

Luiz Felipe de Alencastro

Machado de Assis

Manoel de Barros

Manuel Alegre

Manuel Bandeira

Manuel da Silva Gaio

Manuel Rui

Manuel Rui,Marco Guimarães

Manuel Said Ali

Manuel Teixeira Gomes

Maria Judite de Carvalho

Mário Barreto

Mário de Alencar

Mário Gonçalves Viana

Martins Fontes

Maximiano Augusto Gonçalves

Mia Couto

Miguel Torga

Moacyr Scliar

Natália Correia

Nuno Júdice

Odete Semedo

Olavo Bilac

Olavo Rubens

Ondjaki

Padre António Vieira

Paulo Leminski

Paulo Mendes Campos

Pedro Dinis

Pedro Oom

Pepetela

Pêro de Magalhães Gandavo

Rafael Bluteau

Raimundo Correia

Ramalho Ortigão

Ricardo Jorge

Rui Knopfli

Rui Zink

Ruy Barbosa

Ruy Belo

Ruy Cinatti

Sebastião da Gama

Sebastião Rodolfo Dalgado

Sophia de Mello Breyner Andresen

Teixeira de Pascoaes

Teófilo Braga

Teotónio R. de Souza

Teresa Alvarez

Vasco Graça Moura

Vergílio Ferreira

Victor Cunha Rego

Viriato Teles

Vitorino Nemésio

Waldin de Lima


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos